sábado, setembro 13, 2008

Nostalgia


Fingindo ser o desconhecimento a única razão dessa vida, me sinto preso a um corpo, não de forma, de solidão apenas. Então me transporto para lugares inexistentes, moldados pela simples vontade de não ser, não existir por um momento na culpa que degrada os dias mal vividos, de sonhos mal durmidos de uma noite escura.

É um tempo rápido para tão sutis pensamentos, que de sua simplicidade se perdem na vastidão dos segundos, fixando os dias em lentos fiascos de desencontro. O paradoxo que há nisso tudo, está em ter o que não se deseja e desejar o que não se tem. Eu quero ver o mar!

E me sinto mais uma vez preso à última frase, solta em um parágrafo desigual, espontânea e viva. Por isso faço dessas palavras suas reticências, o eco daquilo que passou e não volta. Nunca volta.

10 comentários:

caterpillar komatsu disse...

wow, very special, i like it.

mobile wife disse...

i think you add more info about it.

penny stock investment disse...

when will you go online?

loan free at last disse...

its good to know about it? where did you get that information?

myspace mobile blog disse...

im here because of few cents for you. just dropping by.

voda pal disse...

ive done something here to have you a few cents!

gsm slot disse...

wow, very special, i like it.

slots mobil disse...

ive done something here to have you a few cents!

globe dollar disse...

very cool.

Anônimo disse...

'O paradoxo que há nisso tudo, está em ter o que não se deseja e desejar o que não se tem.'

Gosto pra caramba de teus trocadilhos. Ele dão um puta enriquecimento aos teus textos e mostram como é foda o teu raciocínio e como é tamanha tua habilidade com as palavras.

Abraço!