terça-feira, julho 26, 2011

É DE AMOR E DE PAZ QUE VIVE O HOMEM


Vez ou outra, com cada sorriso rápido que recebo, percebo e aprendo um significado universal e único. E todos os olhares sinceros me ensinam que não há nada mais nobre que o ato de se doar; de se entregar ao vento das próprias necessidades e de se unir também às necessidades que não me pertencem.

Não há nada mais nobre do que compartilhar as necessidades, como se todas fossem suas, e todas uma. Com um só desejo que é o espírito satisfeito.

Depois de tudo o que vi e ouvi por esses dias, eu amo todos os sorrisos como se fossem meus; amo toda a fome, como se já não tivesse saciado o meu estômago; amo todas as cáries, e por isso sou flúor; amo todas as lágrimas como se fossem cachoeiras e todas as sirenes como se fossem sinfonias.

Em alguma ladeira, com algum sorriso, iluminado por qualquer hora, alguém me ensinou que devo amar qualquer pessoa, porque em cada uma reside escondido a beleza infinita do Jesus abandonado.

6 comentários:

Kelly disse...

Sua fascinante forma de expressar o sentimento mais nobre do humano, me leva a acreditar que apenas no reencontro com outros mundos é possível instigar e apaziguar a angonia de existir ao unir ilhas desérticas e perdidas...

Que o sentir seja uma constante, tornando perene a arte de escrever, não deixando passar em branco o mundo daqueles que também apreciam sua escrita.
Parabéns,
Até a próxima!

Luciana disse...

Nossa. Juro que eu fiquei maravilhada com o pequeno, simples, mas bonito (acho que o mais bonito até agora)que eu li em meus 19 anos de existência. Realmente, a gente vê a vida passar e há tantas coisas que podem mudar nossos dias, nossas vidas medíocres como um sorriso e a gente simplesmente deixa passar por medo ou até egoísmo nosso.

Lindo texto, Gustavo! Saiba que me animou muito nessa manhã. Era o que eu precisava ler há anos, acredito. Obrigada por transmitir meus sentimentos ocultos, sem nem ao menos saber quais são! :)

Anônimo disse...

É, cara Luciana, autora do comentário acima. Gustavo tem esse verdadeiro dom, sem fazer o mínimo esforço. O dom de traduzir, decodificar o que se sente, o que se pensa, mas que somos incapazes de fazê-lo. Ele não.

Texto transmissor de uma bela sensação, coisa que livros inteiros de auto-ajuda não conseguem fazer. kkkkkkk

Fico tentado a dizer que você traduziu quase que tão perfeitamente o amor quanto segundo a bíblia, em 1 Corintios cáp. 13.

Aquele abraço daquele irmão que te ama desde sempre!

Clara Magalhães disse...

Um belíssimo e emocionante textículo, que mostra a essência da arte de amar,ver Jesus no outro e simplesmente aceitar a vivência, é uma grande chance de se doar a Deus. Estou imensamente orgulhosa por você, que agora pode ver o mundo com outros olhos!

Anônimo disse...

Com poucas palavras resumiu o que se faz necessário na sociedade de hoje. Pessoas que olhem o mundo com os olhos de criança, vendo-o como bom e querendo transformá-lo no melhor. Muito bom teexto! :)

Letícia Dantas Sobral disse...

Nossa, eu nunca tinha visto uma explicação tão simples e bonita sobre o que é e como viver o Jesus abandonado.


Parabéns Gustavo!