domingo, setembro 27, 2009

O que tem pra mim?

Um suspiro para tudo o que é bom e não tenho comigo agora. Gosto morno de saudade do que já tive. Onda do mar para o que ainda vou ter. Vento para o que desejo.
O que eu guardei ninguém viu. O que eu queria ter guardado, não pude. Os dias são muitos e a memória, muito pouca: foto encardida, varal onde estava o pé de jamelão. Onde está meu pé agora, não sei - Sigo os dias no vazio pulo das folhas de calendário de santo.
Hoje é dia avisar aos santos que a vida é mais que contar datas. Mas o que é de fato, não se sabe. Nunca se soube. Me lembro de uma frase que eu nao sei de quem, ficou sem dono sem fonte: O que eu quero não tem nome. Para o que tenho existe o muito obrigado. . .

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa, como tudo o que vc faz.

"Hoje é dia avisar aos santos que a vida é mais que contar datas."

Essa vai pro meu túmulo!

Abração

Jenny Paulla disse...

O que eu quero não tem nome.Essa sensação incrível de unir todos os tempos em um só é q nos fazem seres incrivelmente sincretistas. Mas sabe o q eu penso?Que "a primeira vez é sempre a última chance"...O que eu quero tb não tem nome e não dá pra deixar isso se perder.
Amei!=]

Jenny Paulla disse...

* faz