terça-feira, maio 24, 2011

É COMPLICADO COMPLICAR-SE


Reprovei na anatomia dos sonhos.
Não sou muito bom em dissecar forma, separar estrutura de sentido, estudar o átomo e esquecer-se das ondas.
Ondas de mar ou de luz também me dizem respeito.
Sou infravermelho, raio-x, tsunami.

Reprovei pelo não entendimento-
Do sonho, do sentido, das minhas próprias vísceras.
Vidas de olhos e de vísceras inteiras ainda me dizem respeito.
Sou espera, promessa, cochilo breve.

E o espelho diz:
Entre as coxias e o palco há um espaço ridículo,
De homens e de olhos tortos sem refletores!

Mas acende-se um fósforo na alma e pronto: sorriso furta-cor.

.

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que esse foi um dos melhores textos por ti escritos que eu já li, portanto um dos poemas mais sutilmente tocantes que já li até hoje, de qualquer poeta.

Tua sede pelo significado subjacente nas coisas me fascina, mas me fascina muito mesmo.

Por vezes eu também me orgulho de eu conseguir extrair da matéria bruta e fria algo precioso, mas não com a sutileza e a facilidade com que você consegue! Antes que pareça que há algum sentimento de inveja eu deixo muito claro que se trata de puro orgulho de crescer junto a um cara como você. Tanto poeticamente quanto personalmente. Parece exagero, mas nem é. Às vezes me contenho para não soar bajulador, na verdade.

Que as palavras fervam em suas veias para todo o sempre! Sou muito seu fã em tudo, meu velho! Nem palavras para expressar isso! =D

abração daquele seu irmão e aprendiz! =D

Luciana disse...

Gustavo, adorei o seu texto. Combina cem por cento comigo. Só isso a dizer. ;*
Lucy with airplanes.